Quem Somos

fritaliagrespengl

 

A Associação Rede Rua é uma Organização da Sociedade Civil (OSC), entidade beneficente, sem fins lucrativos, atuando desde 1991. De caráter cultural, educacional e assistencial é constituída por número ilimitado de associados, pessoas físicas, que livremente optam por fazer parte dela.

A Rede Rua tem como missão contribuir para a construção de uma rede de relações, com o intuito de promover o resgate dos direitos à vida digna da População em Situação de Rua. Sendo assim, possibilita o acesso ao direito à assistência social. Desenvolve, também, nos espaços de atendimentos, oficinas de desenvolvimento humano , de resgate de autoestima, de fortalecimento da cidadania e de comunicação popular.

 Além disso, proporciona a convivência e o fortalecimento de vínculos sociais e encaminhamentos para o acesso a outros direitos, tais como: a saúde, ao trabalho, a educação e moradia.

EIXOS DE ATUAÇÃO

A Promoção Humana: visa prestar assistência social aos excluídos e buscar alternativas para solução dos problemas de subsistência, moradia, trabalho e defesa de direitos. Sensibiliza a sociedade para estes problemas, facilitando o intercâmbio com outras organizações que possuam os mesmos objetivos e atua promovendo atividades de relevância pública e social.

A Comunicação, Educação e Cultura: Visa documentar e construir a história de vida de luta dos grupos excluídos e suas organizações. Somar forças e ampliar a divulgação e denuncia com outras organizações. Colaborar na organização de eventos e projetos culturais e educacionais. Produzir e incentiva a criação de veículos de comunicação de acordo com as exigências legais e atender aos grupos excluídos.

A Articulação social: visa somar e contribuir com a organização e articulação dos grupos dos excluídos. Realizar ou participar de eventos para a promoção e reflexão de políticas públicas que contribuam para o avanço da cidadania e inclusão social.

Realizar ou participar de eventos para a promoção e reflexão de políticas públicas que contribuam para o avanço da cidadania e inclusão social.

HISTÓRIA

O contexto que motivou o desenvolvimento do trabalho da Rede Rua ocorreu no final dos anos 1980, em resposta a uma realidade assustadora, envolvendo um crescente número de trabalhadores atingidos pela falta de emprego e renda que iam morar nas ruas ou sob viadutos da cidade de São Paulo.Não menos preocupante era a falta de assistência e cuidado por parte do setor público em relação às pessoas que viviam naquela situação, onde muitas delas estavam infectadas pelo vírus HIV.

Em 1989, Arlindo Dias (SVD), Lenir Albuquerque e Alderon Costa propuseram a criação de um serviço que atendesse a população de rua. A ideia era criar um “Centro de Documentação e Comunicação dos Marginalizados” (CDCM). Um espaço de referência para pessoas em situação de rua. Inicialmente o trabalho tinha como local cedido a torre da igreja do Bom Jesus do Brás.

Em três de março de 1990 a Rede Rua assina o primeiro convênio com a Prefeitura Municipal de São Paulo (PMSP), para tanto, toma como empréstimo a pessoa jurídica do Centro Social Parque Fernanda. Esta situação permaneceu até 1995, quando foi criada a “Fraternidade do Povo da Rua”, como pessoa jurídica, que agrupava vários grupos e projetos desenvolvidos junto à população de rua. No início, eram atendidas somente as pessoas com HIV e depois começaram a desenvolver atividades direcionadas aos “Sem Terra”.

Em 1998 o CDCM é reformulado e tem alguns projetos desmembrados. A partir daí, surge como entidade civil o nome de “Associação Rede Rua” que foca, neste momento,  priorita8a2052_234428a4da7d410e906de3ad85eb13bariamente, nos trabalhos de comunicação e assessoria. Cria-se, portanto, uma ideia de rede para evocar aos trabalhos de pequenos grupos, interligados de alguma maneira, em busca de uma sociedade diferente.

O primeiro projeto desenvolvido pela Rede Rua foi o jornal “O Trecheiro – Notícias do Povo da Rua”. Em sua trajetória, o jornal procurou desempenhar seu papel de denúncia das inúmeras situações de exclusão e violência vividas pelas pessoas em situação de rua. Como instrumento a favor desta população e por ela reconhecido.

Dentro dessa perspectiva, a Associação Rede Rua contribuiu para a criação de alguns serviços de assistência social, entre eles, a primeira Casa de Convivência do Povo da Rua no Brás – Associação São Victor Martír (1991); o Cascuda Restaurante- restaurante comunitário administrado pela população de rua em forma de cooperativa (funcionou entre 1992 a 1994); Operação Inverno – Pedroso e viaduto 9 de Julho (1992); Inauguração da primeira casa construída para as pessoas em situação de rua (1992); Fraternidade Povo da Rua – para o atendimento de pessoas em situação de rua soropositivas (1993); Projeto da rua para a terra (1997); Cais do Bom Jesus – entidade para o atendimento a moradores de rua na região do Brás (1998); Separação da Fraternidade Aids na Rua e Rede Rua (1998).

Em 1998 surge a Associação Rede Rua, constituída juridicamente, que atualmente administra e mantem os projetos de comunicação, tais como, o jornal “O Trecheiro”, produções de audiovisual e fotojornalismo sobre temas relacionados a população em situação de rua, além de uma videoteca com temas de educação popular e temáticas sociais.

A Rede Rua também continua prestando serviços de assistência social com o Núcleo de Conivência com Restaurante Comunitário (conhecido com Penaforte), que oferece cerca de 500 refeições diariamente e o centro de acolhida para adultos Pousada da Esperança que acolhe para pernoite e serve jantar e café da manhã diariamente para cerca de 150 pessoas e a Chapelaria Social, que oferece 80 vagas para guarda de bagagens pessoais, para além das bagagens, o projeto atua como uma casa de convivência, onde são realizadas atividades coletivas e oficinas de geração de renda, serve de referência de endereço para que a população ali atendida tenha um endereço fixo para recebimento de correspondência.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: